SIMPLICIDADE * Do It Yourself

Eram apenas luzes que em dezembro se estendiam entre ramos de uma árvore de natal.  Desta vez saíram da caixa mais cedo e passaram a ser o horizonte que brilha, em linha, quando a noite cai. Iluminam de inspiração a velha secretária de estudante, quando à esquerda e à direita, os pingos da chuva fazem de banda sonora do serão.
IMG_0023 (2) ideia  é mesmo muito simples e não é minha e tem a vantagem de poder servir para centenas de aplicações e situações, diversificando tipos de luzes, papéis e dispoisção. Só precisamos de umas forminhas de papel de bolos (à escolha), uma tesoura e uns recortes nas periferias e no centro. Para obter o resultado final é encaixar “a gosto”, nas várias combinações possíveis, as forminhas nas lâmpadas.

Et VOILÀ, quando a Primavera nos chora do céu, brilham flores à minha frente.

IMG_0032 (2)

219# UMA FAMÍLIA DE 5 NUM QUARTO COM BOA VISTA

e dá-nos para isto: remexer nas folhas de outono que temos guardadas (escolher as que não estejam muito estaladiças, se não quebram com facilidade), juntarmos-lhes tintas, uma boa dose de domingo, uma família num quarto com vista para o céu e campo e uma grávida a precisar de algum descanso, e os resultados podem muito bem ser criações familiares simples como as que aqui partilho. Decalques lindos que colocam em destaque as várias texturas de vários tipos de folhas, formas inesperadas que uma criança inventa num fundo colorido, a possibilidade de tantas pinturas livres e inspiradas de outono ,  colagens de folhas que reiventámos com novas tonalidades (quem sabe para reaproveitarmos para próxima exposição da ala este) e ainda uma barriga repleta de boas impressões!

Nesta manhã de humores variados com o tempo lá fora, os entretantos do pai passaram pela reportagem fotográfica (para variarmos um pouco), pesquisas para o projeto da paróquia da Missão 2013 e com um contributo na banda sonora feliz que nos pôs a todos a cantar em coro de mãos “tintadas”.

A paisagem inspiradora e o frio mantiveram-nos de pijamas e roupas de tinta (como as marcas de sempre). Esteve frio, veio a chuva e depois o sol e a nossa galeria foi mundando de tons ao longo do dia. Caso para concluir que foi um Santo Domingo com muita PINTA!
Adiantamos que já temos várias ideias para o destino destas obras que ficaram bastante em conta. Lembranças que combinam com a delicadeza e o carinho de pessoas especiais nos enchem as medidas da vida neste outono!

É que até a meias (in) verteram papéis, estas troca-tintas!

156# QUARTOS NOSSOS DE TODOS OS DIAS


Sempre em mutação…

O tempo livre tem sido bom para fazermos de conta que somos designers de interiores, carpinteiros e até pintores. Aqui por casa faz-se de tudo por estes dias. Da bricolage à criação artística, passando pela jardinagem, animação de crianças até às refeições diárias servidas no terraço.
Acho que era menina para me habituar a este modo SUMMER IN THE HOUSE, pelo menos mais dois meses. Como seria bom!

 
O quarto do Salvador ganhou uma mesa espaçosa, com vista para o por-do-sol. Ainda dois quadros feitos de sobreposições de tiras de papel cavalinho pintadas por ele. Por cima de cada um, uma pequena obra feita de restos de troncos pintados. Troncos que vieram do areal de inverno da Costa Nova.
Já o quarto do Sebastiao, onde os todos os dias o sol se estica manhã fora , virou galeria do an, com cantilenas, a foto da família, as referências às estações do ano, às cores primárias. Um molhe de famosas garatujas passam a receber os visitantes e o senhor sol todos os dias.

BOUQUET DE OUTONO

Com os anos tem vindo a creScer comigo o gosto pelo Outono. Gosto do frio, das folhas, das cores, da luz e da lua de Outubro. Ser mãe apurou este gosto e viver no campo deve ajudar. Tudo se pode criar a partir de muito pouco.
Isto a propósito de folhas. Se já gostava das de papel, as de Outono são relíquias que guardo e recrio religiosamente todos os anos. Guardo, colo, seco, penduro, ofereço, plastifico, pinto ou trituro. Dão para fazer imensas coisas estas pequenas preciosidades que ao longo do ano vão vivendo várias vidas.Já fiz de quase tudo. Se não as quisermos elas ficam por ali, no chão ou num monte depois de varridas, e serão nada em breve. Então este ano encontrei um novo destino, IDEIA DAQUI.
O bouquet de Outono foi uma ideia que apareceu num destes jardins de manualidades que se encontram a vaguear pela net. Uma sugestão simples, bonita, muito económica que nos permite prolongar as cores mágicas desta estação e reaproveitar a natureza!


Partilhem as vossas criações de Outono!!!
1. recolher folhas, de várias cores, tamanhos e feitios, sem estarem secas;
2. arranjar arames para caules, fita cola verde ou outro material/papel para o caule (papel crepe, ex.);
3. dobrar as folhas e começar a enrolar em torno do arame, fazendo camadas, como se se tratasse de um botão (ver imagens do link acima);  4. finalizar c e recomeçar inventando, personalizando!!!

Como devem ter reparado o meu bouquet tem muito pouco a ver com o formato onde fui espreitar a ideia…inventei!

PRIVATE GALLERY

Há dias, como o de hoje, em que o final compensa. Dias que deveriam ter começado exactamente pelo fim para correrem melhor. Como sentir a brisa de uma noite amena enquanto passeamos os quatro de bicicleta pela vila, quando ainda se sacodem toalhas do jantar.  Ou deixarmo-nos ficar na nossa galeria privada apreciando e criando como se estivessemos na Arco Madrid. Lá fora com a despedida do sol marcada pela desmaio das nossas cores de eleição. Sentada no muro à espera de ver os outros dois entrarem na rua, eu e o Sebastião, assistimos à pincelada impressionista  com que esta segunda-feira se foi. A maravilhosa natureza que nos inspira, a mesa que transpira criação. 


Cá dentro andámos de volta da cozinha, como de costume, mas desta vez a cozinhar “a ilha do arco-íris”. Enquanto a sopa aquecia e a toalha se enchia de nódoas e brinquedos comilões. Aos desenhos do Salvador juntaram-se, desta vez, as criações do pai, com os recortes da mãe. Uma pop art discutível que combina com a desarrumação por detrás da porta da dispensa!

1ª etapa DONE…

O prometido é, praticamente, devido, agora temos de manter a pedalada. O Pedro convenceu-nos que ía arranjar bicicletas para a família quando regressasse de Itália. Ainda que a ideia já cá tivesse rondado, as férias convenceram-nos! Queremos mesmo deixar de usar o carro nas nossas deslocações na vila. Pelo ambiente, pela saúde, pela poupança e pelo prazer. Optámos pela recuperação do que há nas garagens dos pais e avós. Entre a recolha, trouxemos a minha primeira bicicleta, prenda do 5º aniversário, em Aljezur. Tem 26 anos.  Vai ficar para último, está muito danificada!

Este fim-de-semana as 2 que precisamos, para já, ficaram operacionais. Hoje, sem pressas, já fomos os quatro à missa e regressámos de almoço de bicicleta. Viagem gratuita apreciando as bandeiras do milho cada vez mais erguidas e dizendo olá aos trausentes sem abrir vidros e desacelerar. Como soube tão bem ouvir os pedais e os pássaros, num dia em que nem um som do motor se ouviu por estas bandas…
A próxima etapa é a pintura vintage (em discussão ainda entre o laranja e o preto) e o cesto de verga para carregar o jornal, o pão quente e as compras para o almoço, por entre as flores.

 

A bicicleta da foto é da Rosa Maria, mãe do Pedro, que esteve de volta dela toda a manhã de sábado. Tem uma matrícula como já nem me lembro de ver 3 OBR.

À MESA COM OS (N)OVOS

Quem tem mais novos sabe bem que não há Páscoa sem ovos. Comer, cozer, cantar, pintar, decorar e embrulhar num delicioso folar. Cá em casa gostamos sobretudo de variar, quer com com os mais novos quer com os ovos. 


“O ovo é um alimento bastante nutritivo. Contém proteínas, tanto na clara, como na gema. Esta é rica em gordura, sobretudo insaturada, e colesterol. Uma gema fornece entre 10 a 20% da dose diária recomendada de vitamina A, D, E e K. A clara é rica em vitaminas do complexo B. Estão presentes minerais como o fósforo e o selénio, este último necessário ao músculo cardíaco.”

Retirado do site Decoproteste