54# JANELAS ABERTAS

É sexta-feira e apetece andar de comboio de janelas abertas. E mesmo que não seja entre Florença e Lucca, temos sempre Coimbra B e Aveiro! Bom descanso e muita inspiração com as boas temperaturas. Conseguimos ser felizes com tão pouco. Eu copio as plantas e faço a minha fotossíntese, em 30m de almoço, onde comecei pela sobremesa (ossos de novos ofícios).
Bom, bom,bom,bom canta o patrão! Free to be whatever

FELI(Z)CIDADE

A Lena alertou-me para a conferência. Eu inscrevi-me. A Laura entendeu. A Rita fez-me o GPS. A Vera gostou da ideia e juntou-se. S. Pedro pôs a chuva de castigo e o sol brilhou num céu azul. A CP conduziu-me à invicta, atravessando pontes. O acaso pôs-me à conversa com uma ilustre desconhecida que seguia viagem para Vigo. O Pedro foi buscar os manos e fez-nos o jantar. Os meus sentidos estiveram alertas para absorver o ritmo e os contornos  da cidade e ELE, o meu Deus deu-me o mistério de um terço inesperado num oásis de silêncio, qual prólogo de felicidade!

OS OUTROS, esses indispensáveis à nossa FELICIDADE.

E eu? Eu encontrei uma amiga e passei a tarde a ouvir many interesting stories, (que passo a abreviar) como prometia o eléctrico que passava lá fora. Na sala da reitoria da Universidade do Porto  assisti à apresentação de projectos contagiantes, simples, bonitos, transformadores, alegres, inspiradores, enriquecedores, envolventes, eficazes e FELIZES. Tudo na Smile Conference, uma organização H4S, Hapiness for Society. (um evento gratuito, muito bem organizado, cheio de pessoas felizes onde fomos muito bem recebidos!)
Vim de coração alagado e ideias a fervilhar. Vim desafiada e ainda mais comprometida com a missão da FELICIDADE. Sobretudo a dos outros. Anotei nomes e projectos, a seguir de perto, e guardei para a conversa de serão o orgulho de nos sentir parte desta geração. A felicidade é com os outros, pelos outros e para os outros, e os 1ºs outros são os NOSSOS. Somos da geração que tem consciência do potencial transformador da felicidade, sabemos que ela não se faz sozinha, e queremos ser da geração que passa, e quer passar cada vez mais, para o lado de lá, dos que metem mãos na massa desta ideia.

Esta tarde encheu-se de pessoas e histórias de vidas. Porque a felicidade é disso que trata, de pessoas e de ideias. Ouvi o Abílio Cunha falar sobre a felicidade de ser imperfeito e perfeitamente feliz por ser cidadão, activo e comprometido com toda a diferença que o torna ainda mais espe(a)cial; a Filipa Oliveira apresentou o Do Something entusiasmada com todos os jovens que vão descobrindo como colocar o seu estraordinário talento e tempo ao serviço da felicidade dos outros; escutei com enorme curiosidade aquele que é o primeiro economista Português com doutoramento no tema da Economia da Felicidade, Gabriel Mota, que viajou na história para explicar a riqueza que vai além do PIB e das Nações do Adam Smith; descobri a criatividade deliciosa do cartão e de outras coisas fofas das OUPAS, sei agora quem são elas que estão por detrás da imagem que me cativou no Disco Voador; conheci o movimento PELE e arrepiei-me com o poema de Eugénio de Andrade que vi, sim VI, leram bem, porque em lingua gestual, e porque foi arrepiante o impacto dos gestos, do projecto e da acção deste movimento de arte na comunidade; e para o final fui soltando gargalhadas fáceis de criança com a intervenção do alfacinha Frederico da TERRA DOS SONHOS. Porque, pela felicidade dos outros, há sonhos que não podem ficar por realizar!

No regresso a cereja em cima do bolo ou das tábuas! Porto de luzes e um comboio com destino a Aveiro. De um só travo, algures entre Campanhã e Avanca, sorvi de um só gole “O miúdo que pregava pregos numa tábua” do Manuel Alegre. Uma prenda do 30º aniversário que estava de leitura adiada até hoje. Tinha de ser, só pôde ser porque nada é por acaso! E fez todo o sentido ser hoje, um grande dia habitado pela FELI(Z)CIDADE.
Fui recebida ao pé da lareira com duas mãos cheias de perguntas e um abraço do Sebastião e um Salvador astronauta a querer voar para os sonhos.
É dia seguinte. Vou dormir. Daqui a menos de oito horas temos 2 sorrisos de infância e esperança. Recomeça a VIAGEM da felicidade, agora mais esclarecida do seu potencial. Carpe Diem e espalhem o virús, a FELICIDADE É MESMO PESSOAL E TRANSMISSÍVEL.

¿HAS PROBADO REÍRTE

Dois dias fantásticos de formação “abusando do tempo presente”, como alguém sublinhou no final do longo e divertido domingo. É o que dá ser curiosa e ter um SIM colado na língua. Não resisti ao desafio do Fernando Baptista e veio-me à memória um cheirinho do que havia espreitado num Mouva. Resultado: um fim-de-semana intenso de boa disposição, sob a batuta de um SENHOR da RISOTERAPIA, Germán Payo Losa, conhecendo pessoas interessantes, enquanto aprendi e aprofundei o potencial do humor e do riso nos vários contextos da vida. Do quotidiano à educação, passando pelos contextos profissionais.
Este foi o tempo cinzento da chuva invernosa, e do conforto servido com chá quentinho e gargalhadas. Horas de histórias e de reflexão detendo olhares sobre as situações menos agradáveis com que nos confrontamos diariamente. Este foi o tempo de relaxar a tensão da semana e treinar o improviso a alta voz. (E como soube bem suar e libertar toda a energia acumulada com SONRIE)

Este foi o tempo de investir no potencial dramático que há em cada um de nós, de partilhar experiências profissionais e emoções incómodas. Este foi o tempo de adquirir e treinar estratégias para enfrentar situações e aprofundar o prazer de nos rirmos de nós próprios.

Este foi o tempo da acção, de comunicar, saltar, inventar, tocar, olhar criar e rir. Rir muito, “gargalhar” sonoramente até doerem todos os músculos.
Este foi o tempo que me andava a faltatr, para mim, de ter TEMPO para tomar consciência do potencial do sentido de humor, praticando. Das escolas às empresas, dos serviços públicos às casas de cada um de nós, é inegável que precisamos de pessoas cada vez mais OPTIMISTAS. Mais, são urgentes crianças felizes e bem-aventuradas que cresçam de bem com a vida e com os outros, confiantes e assertivas, que possam fazer do futuro um lugar melhor.

De verdade:
…o riso faz bem à saúde, a cada dia surgem estudos que o tem vindo a provar de forma irrefutável;
… na hora de contratar pessoas, há cada vez mais empresas a considerarem, de forma preponderante, a INTELIGÊNCIA EMOCIONAL dos candidatos;
…o humor é mesmo a distância mais curta entre duas pessoas, tal como a compaixão, o riso tem uma capacidade tremenda de unir as pessoas;
…o sentido de humor desenvolve a criatividade, reforça a autoestima e a confiança;
entre tantos outros benefícios que aqui poderia ir acrescentando.
Tudo isto e muito mais na formação ” El potencial educativo del humor y la risa”.
SABER + | Projecto Educa Humor (Germán Payo/ES) e Projecto MaisFeliz (Fernando Baptista/PT)

ADEUS CARACÓIS, ATÉ AO OUTONO

Voltou mais leve, o amaciador de novo em exclusivo para os meus caracóis e ganhamos o tempo dos penteados da manhã. (suspiro: uffa…que este ano estava a demorar ir ao corte!)

 Hoje foi dia C. Libertámos o rosto de adornos, que ainda que bonitos escondiam o melhor. Voltamos a ver de novo aquele menino, franzino de olhar marcante, dos olhos faróis contornados de sobrancelha fina e pestanas alongadas. Acabaram-se os jeitos, a franja, as ondas e as riças. De novo olhar-te e ver-te todo, sem obstáculos espreitar esse feitio determinado que te vai dentro. Diferente e lindo. As always!

 

VOU PO PULAR POR AÍ!

Maio é mesmo mês casamenteiro. Este fim-de-semana, antecipamos o segundo casório do mês. Confesso que gosto destes momentos, pelo sacramento que está em causa, a festa em que sempre alinhamos, o testemunho que todos juntos vamos dando e o companheirismo que estas celebrações ajudam a reavivar. Hoje é dia D, apanhamos o autocarro e seguimos para o Minho. Espera-nos um arraial minhoto. O segundo onde comemoramos uma despedida de solteiros já em casal, com todos todos os amigos destes dois à mistura, numa miscelânea de minho e região bairradina. Hoje vai ser um festão! Os manos ficam nas avós, bem distribuidos e com carinho concentrado em doses duplas, e nós os três vamos
PO PULARES POR AÍ! 
Somos muitos….OS AMIGOS DOS NOIVOS   – Sandra & João – DOIDOS!