IRMÃOS

PARECENÇAS (NOS) FEITIOS

Confesso que não me sinto muito à vontade para analisar parecenças na fisionomia de pessoas, mas a verdade é que quase todos gostamos de emitir opiniões sobre isso e não sou exeção. Ao olhar para a prole lá de casa é óbvio que são parecidos em vários aspetos da fisionomia: caracóis (sobretudo até aos primeiros anos e primeiros cortes), olhos muito expressivos, pestanas esguias e nariz redondinho. Tenho-o confirmado vezes sem conta, ao confrontar os rapazes nas mesmas idades e em situações semelhantes, quando percorro os gigas de fotografias do arquivo familiar.

A maior diferença, para nossa surpresa e piadas dos amigos, é o benjamim da casa: o Salomão está cada vez mais caracoletas e com um tom que destoa completamente dos irmãos com uma moldura de caracóis clarinhos fica uma moldura de menino doce, o que lhe vai disfarçando a teimosia que herdou sabe-se lá de quem?!
vero2010_mamasebastiao.jpg

Sebastião // Fuerteventura 2010

Verao2014_mamasalomao.jpg
Salomão // Algarve 2014

Já no que diz respeito ao feitio posso garantir que vão acusando também bastantes semelhanças: gulosos, teimosos, destemidos e  apaixonados por água (salgada, doce, engarrafada, quente, morna e gelada; entram com toda a facilidade no mar, rios, piscinas, banheiras, poças e dão-se bastante bem com mangueiras também…). Nisto dos feitios começo a temer a mistura bombástica que vai sair daqui: progenitores + irmãos + meio + educação….(medo, muito medo…).
gulososmanosSebastiaoSalvador.jpg
Sebastião & Salvador // Casa dos avós, Verão 2011gulosos_sebastiaoSalvador2014.jpg

Sebastião & Salomão // Benavente, Verão 2014

PERDOA-TE CATARINA!

Começar setembro cansada e à beira de um ataque de nervos é do pior! Ando assim (a minha sorte é que tenho um SuperMaridoPaiHomem)…
Há dias em que me custa horrores sair da cama e pensar em todas as responsabilidades que me aguardam, há outros em que acordo como se tivesse estado ligada à corrente toda a noite. Ando de picos e não gosto nada, instável e frágil…e por isso hoje quando dou de frente com o Seth, nas leituras da manhã, é mesmo esta a palavra que me ocorre: Perdoa-te Catarina!
Há algum tempo que não me lembro de um período assim: difícil e de certa forma angustiante pela incapacidade de fazer tudo o que é suposto e de ter todas as respostas que preciso. Falta-me ter tudo sob controlo.
Provavelmente este estado de sítio em que me encontro tem a ver com novas responsabilidades profissionais e com o facto deste ser o primeiro regresso pós férias com 3 filhotes.Caos!!!
A concorrer para tudo isto o enorme cansaço (mental e físico, este último como nunca tinha sentido ) que as férias tripartidas, em períodos demasiados curtos de 5 dias (junho, julho e agosto), e frequentemente interrompidos (anda a crescer a minha aversão à conectividade permanente) não permitiram resolver devidamente. 

_SUPERPAI2014.jpg“Forgive yourself
Forgive yourself for not being the richest, the thinnest, the tallest, the one with the best hair. Forgive yourself for not being the most successful, the cutest or the one with the fastest time. Forgive yourself for not winning every round.
Forgive yourself for being afraid.
But don’t let yourself off the hook, never forgive yourself, for not caring or not trying.
Um artigo de Seth Godin, retirado daqui.

THANKS FOR THE S&S BROTHERS

A felicidade que nos enche as medidas tem arrumado os últimos tempos numa gaveta que a memória guarda ao de cima. É impossível não nos sentirmos gratos por coisas delicadas como brincar “ao teu pai é careca?” com os dentes de leão de casa da avó bebel ou de uma tarde quente com sombras e baloiço a embalar o sono do Sebastião. É impossível calar o grito de gratidão que sentimos pela vida que temos.

I’M STILL ALIVE…

De regresso ao trabalho, ando a digerir os novos horários e a pouca energia que me resta ao fim de dias com as temperaturas acima dos 30º, meio país a banhos e as tarefas a acumularem-se umas atrás das outras.
Palavra de ordem: relativizar!
Passei quatro meses a desfrutar de dias fantásticos e de repente dou por nós a deixarmos os miúdos nas avós com as suas mochilas, a fazermos as brincadeiras do costume, mas a regressar ao carro, sozinha, com tanta pena de não poder ficar com eles, na brincadeira, a vê-los dormir ou a desarrumarem tudo nas suas brincadeiras. Life goes on,e eu estou apenas a viver aquele período de transição, com velocidade controlada, como me recorda a estrada, mas de coração apertadinho.  A nossa sorte é que eles adoram os avós, estão a viver dias diferentes e não são tão lamechas como eu!

FOR EACH OTHER

Seis anos passam hoje sobre a data do nosso casamento. Mais de doze desde o momento em que ambos soubemos que o futuro seria conjugado na primeira pessoa do plural. Agora somos nós e eles e seria impensável ser de outra forma. SIM, podemos repetir de novo, haveremos de ficar juntos para sempre nesta aliança íntima de comunhão de vida e amor onde o OUTRO É PESSOA MUITO IMPORTANTE, mas onde cada um de nós se realiza e cresce. Definitely TO VIP… FOR EACH OTHER!

6€ AND I’M NOT A FASHION VICTIM (NOT EVEN A MODEL…)

Hoje é dia de feira na Palhaça. Mesmo sem ideias de gastar os trocos que levei, gosto da feira pelo passeio e pelas regueifas que trouxe a dobrar (para não variar!). Há uma  ambiência caricata que me recorda a infância, os vendedores à porta da minha avó, na Praça de S.Pedro, e depois pelos anos fora, a visita quase sempre assídua, num dos dois dias mensais  (12 e 29) que fazem da nossa vila mercado muito procurado, por feirantes e visitantes. Aproveitei o embalo de acordar cedo e de boleia levei o Sebastião em passeio. Regressámos perto da uma da tarde e fui a contas. Gastei 6 euros nos modelitos que podem ver na foto: 2 peças, dois tops que podem ser usados também como vestidos, a minha preferência vai para o exótico para usar com cinto, fino ou dos largos, conforme a circunstância (fica bem das duas formas, já experimentei) e o outro mais casual, muito prático para quem amamenta, como é o caso…
Não imaginam como a temperatuda sobe quando se está a amamentar e como se estragam peças com o levanta, abre, estica, fecha…enfim…nada como bagatelas destas até porque não sou nada de estragar dinheiro com roupa.
Como o Pedro diz, “tens cá um olho para as coisas!” Sim, confesso que tenho, nas feiras costumo arranjar verdadeiras pechinchas.Peças bonitas que combinadas de forma interessante com outra peça, sapato ou mala, e com a titude certa funcionam com grande elegância. Como por exemplo um vestido estilo chinês que levei ontem ao concerto, comprado no Mouva por 5€. Nada como nos sentirmos giras e confortáveis sem que isso pese na carteira. O dinheiro é para desfrutar de coisas mais importantes que a aparência! E para os miúdos a mesma coisa, ainda hoje comprei um daqueles calções de fazenda beges, corte antigo com prega, e uma camisa xadrez a combinar para andarem com meias até ao joelho no pr´xomi inverno. Esta sim ainda mais pechincha, o pregão dizia 4 peças, 5€. Na montanha de roupa para todos os gostos, o segredo era procurar bem porque não faltavam peças novas, com etiquetas!